Comun Tierra

Uma Exploração de Comunidades Sustentáveis na América Latina.

Você está em:

Blog

A mudança climática está ameaçando os manguezais de El Salvador

Postado em 23 de Setembro de 2011

A Mudança Climática está Ameaçando os Manguezais de El Salvador

 Ryan Luckey, trad. por Leticia Rigatti

Com desastrosas erupções vulcânicas, terremotos e tempestades extremas, El Salvador é amplamente considerado como um dos países mais vulneráveis do mundo aos desastres naturais. Com os efeitos da mudança climática complicando crises sociais e econômicas, o governo El salvadorenho reconheceu que as considerações de segurança nacional devem incluir os fatores ambientais, levando ao Ministro do Meio Ambiente Herman Chávez para proclamar as Alterações Climáticas como "a nossa prioridade número um" em fevereiro de 2011.

No entanto, como salvadorenhos bem sabem, quando se trata de desastres naturais, algumas coisas são simplesmente fora de seu controle. O desaparecimento das florestas de mangue do país é uma dessas coisas.

As florestas de mangue do Pacifico de El Salvador, as maiores da espécie na América Central, abrangem mais de 20 mil hectares e em torno da Baía Jiquilisco. Manguezais são tradicionalmente consideradas como uma proteção natural para extremas inundações quando há subida das marés, atuando como uma zona “tampão” de valor inestimável durante eventos meteorológicos extremos.

Alguns anos atrás, no entanto, comunidades locais começaram a notar um estranho fenômeno: Os manguezais na borda do oceano estavam morrendo.
 

Um Ecossistema Ameaçado

O manguezal é um ecossistema único encontrado em regiões tropicais e sub-tropicais costeiras nas Américas, Oriente Médio, Ásia e Oceania. Freqüentemente encontrados onde há mistura de água doce e água salgada, o mangue cria condições ecológicas específicas que suportam uma grande variedade de flora e fauna.

As árvores têm uma série de palafitas, como suportes que se estendem a partir do tronco para maior estabilidade e resistência. Essas árvores têm evoluído para serem capazes de resistir a mudanças no nível da água causado pelos ciclos de marés e inundações leves, ajudando a proteger as áreas costeiras de danos causados por tempestades extremas e tsunamis. Nos últimos anos, no entanto, um aumento do nível do mar fez com que as ondas do mar invadissem mais para o interior do que nunca, fazendo estragos fatais em todo o ecossistema.

Segundo o Dr. Ricardo Navarro, diretor do Centro de Tecnologias Apropriadas em El Salvador (CESTA - Amigos da Terra), mais de 30 metros de floresta de mangue foram completamente destruídos por esse fenômeno nos últimos seis anos. "Com o aumento do nível do mar em nível global, as ondas do oceano estão entrando mais e mais para os manguezais. O que acontece é que as ondas lavam os nutrientes do solo, deixando as árvores em areia pura. Então as árvores morrem, e todos os animais deixam a área."

Ao longo da costa central de El Salvador existe uma grande zona morta que se estende ao longo da praia, medindo entre 10 e 50 metros. A causa? Mudanças climáticas, diz o Dr. Navarro.

O Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas informou que o nível do mar subiu 21 centímetros no século passado. Este aumento é declaradamente causado por uma combinação do derretimento glacial, o derretimento das calotas polares e a expansão física dos oceanos, com um aumento na temperatura da água, conseqüências do trabalho humano no aquecimento global.

Quando perguntamos sobre quão longe a maré chegou no local, o pescador Adan Nahun Diaz Ramirez apontou para o mar, onde as ondas quebravam: "A floresta se estendida passado tudo isso, você pode ver, bem ali onde está o mar", disse ele, apontando para troncos de mangue sob as ondas. "Na verdade, depois dos manguezais, havia ainda uma fina camada de bosque antes de chegar a praia."

Sem a estrutura do solo e não restou vida, a nova terra exposta não tem como proteger-se do oceano, que ao longo do tempo está invadindo o interior. Populações locais estimam que pelo menos 50 metros de terra foi perdido para o oceano nos últimos 10 anos.

Efeitos sobre as comunidades locais

La Tirana é uma pequena vila de 23 famílias na beira do mangue. A aldeia era povoada durante a maior parte do século 20, mas abandonou durante a guerra civil de El Salvador, onde quase todas áreas rurais do país foram abandonados. A cidade voltou à vida 10 anos atrás, quando novos moradores moveram-se para esta área.

CESTA tem trabalhado em La Tirana desde 2005 para desenvolver um programa chamado "Caminhos da Vida Sustentável". O programa tem proporcionado a comunidade um programa de educação ambiental, assistência técnica para a agricultura orgânica, instalação de poços de água, e vários painéis solares para levar eletricidade para a aldeia pela primeira vez. O programa também facilitou a criação de uma visão para a sustentabilidade das aldeias ecológicas e econômicas.

"Agora temos um plano para a caça e uso sustentável do punche [uma espécie local de caranguejo], que limita a nossa colheita em 5-7 dúzias por dia", me disse Ramirez. "Mas há dias em que não podemos nem mesmo encontrar uma dúzia".

Como muitas outras comunidades rurais, a colheita da punche é a única fonte de renda. "A Terra aqui não é fácil de cultivar, porque é só areia, de modo que dependemos mais ainda do mangue", disse Ramirez. "Nos últimos anos, tem sido cada vez mais difícil para caçar o punche, e não temos outra maneira de apoiar a nossa comunidade."

Efeitos sobre a Fauna Silvestre

Apenas a poucos quilômetros de La Tirana, na foz do rio Lempa, cercado por mangues, costumava haver uma ilha de areia.

Durante os anos se observava que a ilha era ninho temporal para uma colônia de aves americanas Skimmer, habitat único de sua espécie observados na América Central. Com as marés altas, a ilha tem quase desaparecido, agora só aparecem durante a maré baixa. Sem um lugar seguro para descansar, o Skimmer não tem sido vistos na região há vários anos.

"Este é claramente um efeito da mudança climática global", afirma o Dr. Navarro. "E o pior de tudo é que não há nada que podemos fazer para proteger esses mangues e essas espécies de fauna. Nós, como uma comunidade global necessitamos que tomar medidas para deter o aquecimento global. Os acordos internacionais sendo discutidas hoje ainda permitiriam um aumento de até cinco graus centígrados até o final deste século! Este grau de mudança teria efeitos desastrosos ao redor do mundo. O que estamos vendo aqui é apenas o começo."

Refugiados do Clima

Ao longo do anos 70 e 80, as ondas de refugiados salvadorenhos fugiram violenta guerra civil do país. Nas últimas décadas, a imigração continuou, como cidadãos olham para escapar da pobreza extrema e uma série de desastres naturais, incluindo terremotos de magnitude 7,7 e 6,7 em 2001 e a tempestade tropical Agatha, em 2010. Tempestades extremas estão se tornando mais comuns e mais intensas, levando a inundações extremas em todo o país e particularmente na área costeira central.

"Se as coisas continuarem assim, a próxima onda de imigrantes de El Salvador será refugiados do clima", diz o Dr. Navarro.

Organizações internacionais que vão desde o IPCC a UNESCO estão estimando que 10 a 50 milhões de pessoas serão refugiados de suas casas na primeira metade do século 21 por causa da mudança climática relacionada a desastres.

Todos os membros da comunidade de La Tirana concordam que as coisas estão piorando a cada ano, e que o oceano está se movendo mais rapidamente ao interior. Se isso continuar, eles serão parte dos milhões de refugiados do clima, e devido as condições ambientais e sociais de El Salvador será ainda mais difícil.

Comente neste post

Copyright © 2010 Común Tierra. All rights reserved. Desenvolvido por dzestudio